O Museu > História

História

Museu e Arquivo Histórico Prefeito Antônio Sandoval Neto

     A iniciativa de criação de um museu na cidade foi do então Prefeito Dr. Domingos Leonardo Cerávolo, em 1944. Mas coube ao Prefeito Antonio Sandoval Netto, a criação de fato do Museu Municipal, como parte das comemorações aos 40º aniversário da cidade, em 12 de setembro de 1957.

    No dia 28 de maio de 1974, o então Prefeito Dr. Walter Lemes Soares nomeou uma Comissão Especial de Organização e Instalação do Museu Municipal.

Após reuniões periódicas e preparatórias, a Comissão direcionou seu trabalho em três direções: 1º Conseguir um local para funcionamento e posteriormente uma sede definitiva;
2º Formular anteprojeto de estatuto da entidade com base nas congêneres no Estado de São Paulo;
3º Aquisição de acervo, por meio de doações, junto às famílias pioneiras da cidade.

    Nessa primeira campanha, houve muitos doadores

     Ainda em 1974, o Museu Histórico Municipal foi transformado em Fundação. Finalmente em 26 de agosto de 1975, a Fundação Museu Histórico Municipal foi instalada em sede provisória, situada na rua Siqueira Campos, no trecho compreendido entre as ruas Pedro de Oliveira Costa e Ulysses Ramos de Castro.
Em 1977, foi completada sua estruturação jurídico-legal pelas disposições:

  • Projeto de Lei n. 7418 de 12 de setembro de 1977, do Prefeito Paulo Constantino, solicitando à Câmara Municipal autorização para doação de terreno à Fundação para instalação de sua sede definitiva;
  • Decreto n. 1935, de 12 de outubro de 1977, assinado pelo Presidente da Câmara Municipal, Ivan Nogueira de Almeida, autorizando a doação do referido terreno;
  • Lei Municipal n. 1904, de 13 de outubro de 1977, sancionada pelo Vice-Prefeito em Exercício, Benedito Apparecido Pereira do Lago, efetuando a doação do terreno;
  • Escritura de Doação, assinada pelo Prefeito Paulo Constantino e Dra. Maria de Lourdes Ferreira Lins, Presidente da Fundação Museu, em 28 de dezembro de 1977, doando o terreno e edificações do antigo Matadouro Municipal.

     Construído em 1929, pelo Dr. Romeu Leão Cavalcanti, um dos membros da família Leão, uma das muitas famílias nordestinas chegadas à cidade e à região, que teria pensado em instalar na cidade um matadouro, com o objetivo de melhorar as condições da saúde pública pelo abate de reses em local adequado e a mais racional e higiênica distribuição de carne ao consumidor. Em 1937, a Lei Municipal n. 51, de 01 de outubro daquele ano, registra a encampação do Matadouro, proposta apresentada pelo próprio concessionário ao Prefeito Cel. Miguel Brizola de Oliveira, passando a ser então o Matadouro Municipal.

     Por muitos anos o Matadouro, após cessada sua atividade, ficou ocioso, sendo arrendado a empresas, até ser descoberto pela Comissão de Instalação e Organização do Museu Municipal, em 1974, sendo iniciada a negociação de sua doação para sede da entidade.

     Após sacramentada a doação, foram feitas adaptações e ampliações no edifício do antigo Matadouro, de linhas arquitetônicas sóbrias desde sua origem, instalando-se nele a Fundação Museu Municipal.  

     Atualmente, o Museu ocupa uma área total de 5.176 metros quadrados, incluindo nesse total, três edificações, totalizando 380,315 metros quadrados de área construída, distribuídos num prédio central antigo, anteriormente utilizado como Matadouro Municipal, tombado pelo Executivo Municipal, e hoje local para a guarda e exposição de peças, equipamentos, fotos e documentos do acervo geral, para a informação da comunidade e estudantes que se utilizam do Museu como complemento didático em sua formação regular.

     Por ocasião da instalação, foram construídos dois anexos ao prédio principal, um deles abrigando o acervo documental e instrumental do Dr. Domingos Leonardo Cerávolo e o arquivo fotográfico, discográfico e documental do Museu. O outro anexo abriga o setor administrativo, com área para cursos e oficinas, e um ramal da Biblioteca Municipal.

     A área externa, formada por jardins e gramados, apresenta um jardim japonês criado pela colonia local, em homenagem aos 80 Anos da Imigração Japonesa, pomar, local para mostra de veículos antigos e estacionamento.

     Após intervenção do então Prefeito Municipal Agripino de Oliveira Lima Filho, em dezembro de 2001, devido a irregularidades na eleição da Diretoria da Fundação Museu e Arquivo Histórico Municipal, esta foi extinta em março de 2002, passando o acervo e instalações da Fundação a fazerem parte do patrimônio da Prefeitura Municipal, sendo a Secretaria Municipal de Cultura sua administradora, por meio do Departamento de Preservação e Memória, criado no organograma da Secretaria para essa finalidade. O Museu e Arquivo Histórico Prefeito Antonio Sandoval Netto tornou-se um setor do Departamento de Preservação e Memória, passando por reformulação de objetivos, serviços e política de preservação da memória da cidade por projetos, oficinas, cursos, exposições e recuperação de documentos e peças de memória registros por meio digital.